Secretaria de Missões da Igreja Assembleia de Deus Ministério no Ipiranga

BURKINA FASO: PIORES ATAQUES DESDE 2015 DEIXAM 160 MORTOS

O balanço de vítimas de dois ataques no norte de Burkina Faso, cometidos entre a noite de sexta-feira (4) e a madrugada deste sábado (5), subiu para ao menos 160 civis mortos. Trata-se do massacre mais violento no país desde o início da violência extremista islâmica, em 2015. No total, "160 corpos foram enterrados sábado (5) em três valas comuns pela população local (...), entre eles cerca de vinte crianças", disse um político da região. Um balanço confirmado por outra fonte local especifica que "50 corpos foram enterrados em cada uma das duas primeiras valas comuns e 60 na terceira".

Os ataques foram cometidos na chamada zona das "três fronteiras" - entre Burkina Faso, Mali e Níger -, regularmente alvo de extremistas ligados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico contra civis e soldados. Durante a madrugada, indivíduos armados realizaram a incursão em Solhan, na província de Yagha.

"Vários feridos sucumbiram pelos ferimentos e novos corpos foram encontrados", informou um deputado local na noite de sábado, que especificou que "os corpos foram enterrados em valas comuns". Dezenas de feridos continuam em recuperação.

A ONU expressa "indignação" Em declaração, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, mostrou-se "indignado" com o massacre, como informou seu porta-voz neste sábado, quando o ataque tinha deixado pelo menos 100 mortes confirmadas. "O secretário-geral está indignado com a morte, hoje [sábado] cedo, de mais de 100 civis, em um ataque por agressores não identificados a uma aldeia na província de Yagha, na região do Sahel de Burkina Faso", disse Stephane Dujarric, em comunicado.

De acordo com uma fonte local, o ataque, que começou por volta das 02h (23h de sexta-feira no horário de Brasília), primeiro teve como alvo um posto dos Voluntários pela Defesa da Pátria, os VDP, de apoio civil ao Exército, e "depois os agressores foram às casas dos moradores, que foram executados".

"Além do pesado tributo humano, o pior que registramos até hoje, as casas e o mercado (de Solhan) foram incendiados", declarou outra fonte da segurança. Um luto nacional de 72 horas foi decretado pelas autoridades, a partir deste sábado às 0h até segunda-feira (7), às 23h59.

Série de ataques Sohlan é uma pequena cidade localizada a cerca de quinze quilômetros de Sebba, capital da província de Yagha, não muito longe da fronteira com o Mali, e registrou vários ataques nos últimos anos. No dia 14 de maio, o ministro da Defesa, Chériff Sy, e membros da hierarquia militar foram a Sebba e garantiram que a situação havia voltado ao normal, após inúmeras operações militares.

Este último ataque cometido por supostos extremistas islâmicos foi realizado pouco depois de outro, também na sexta-feira à noite, em um vilarejo na mesma região, Tadaryat, no qual pelo menos 14 pessoas foram mortas. Os ataques acontecem uma semana após dois outros atos violentos na mesma área, nos quais quatro pessoas foram mortas. Nos dias 17 e 18 de maio, quinze moradores e um soldado morreram em dois ataques a uma aldeia e uma patrulha no nordeste do país, segundo o governador da região.

Desde 5 de maio, diante do aumento da violência terrorista islâmica, as forças armadas lançaram uma operação em grande escala nas regiões norte e do Sahel. Durante este sábado, filas de pessoas fugiram para Sebba, relatou um deputado local sob anonimato.

"Esses deslocamentos também causaram vítimas porque três pessoas morreram no eixo Solhan-Sebba, quando a carroça que as transportava explodiu ao passar por cima de uma mina artesanal", relatou.

Apesar do anúncio de inúmeras operações desse tipo, as forças de segurança têm dificuldades em conter a espiral de violência, que deixou mais de 1.400 mortos e mais de um milhão de desabrigados desde 2015.

Os missionários que estão em Burkina Faso pedem oração e falam mais uma vez da importância de construir o muro da Igreja: “Orem por nós, estamos apreensivos... As ameaças têm sido constantes; graças a Deus estamos bem. Estamos orando, trabalhando e vigiando. Precisamos urgentemente de construir o muro para termos mais segurança.”

Contribua para essa obra e ore para que os missionários e as pessoas sejam protegidos por esses ataques!

Pedidos de oração:

- Para cercarmos o terreno (para iniciarmos a horta comunitária é essencial ter segurança)

- Para colocarmos piso na igreja.

- Pela abertura das fronteiras terrestres, pois tem faltado alimentos e outros produtos que vem dos países vizinhos.

- Interceda pelas famílias que perderam os entes queridos nesse ataque em Burkina Faso. Que elas sejam consoladas por Deus de maneira especial.

- Clame para que as autoridades do país tenham sabedoria e o favor de Deus para combater a onda de violência causada pelos grupos extremistas na região.

- Ore para que o Senhor proteja a população de Burkina Faso e frustre os planos dos grupos radicais. Que os combatentes tenham um encontro com Jesus e sejam mudados por ele.

Fonte: Notícias UOL

Reportagem/SEMADI

Fale Conosco

  • (11) 4524-4694 - FIXO
  • (11) 9 97502448 - VIVO
  • (11) 9 49747803 - TIM

 

Funcionamento de terça à sexta-feira
das 08h00 ás 17h00

Semadi na Rede

Informativo

Onde Estamos

Rua José Furlan, 45, Nosso Teto
CEP: 13251-661 | Brasil - Itatiba/SP
contato@semadisp.com.br

América, África, Europa, Oceania e Brasil

CONTRIBUA COM A OBRA MISSIONÁRIA:
Igreja Assembleia de Deus no Ipiranga

Banco Bradesco
Ag. 119 | CC 110.891-3

Banco Itaú
Ag. 0047 | 17664-9

Chave PIX
secretaria@semadisp.com.br

Olá clique abaixo para falar com nosso atendimento ou então envie um email para contato@semadisp.com.br

Chame no Whatsapp
Close and go back to page